domingo, 31 de julho de 2011

Deus da graça


Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8, 9).
Resuma em suas próprias palavras o significado desse texto. Pergunte a si mesmo: Por que a salvação deve ser pela fé e não pelas obras? Por que as obras não podem nos salvar?
Gálatas 3:21 É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade, seria procedente de lei.
Um garoto epiléptico caiu em convulsões sobre os trilhos do metrô de Nova Iorque justamente quando um trem chegava à estação. Sem vacilar, um estranho se lançou sobre a criança que se contorcia. Pressionando o garoto contra o chão, o homem permaneceu deitado até que o trem parou guinchado sobre ele. Então, ele gritou: “Nós estamos bem!” Seu ato arriscado de abnegação foi a única coisa capaz de salvar o menino da morte certa. Que poderosa ilustração da graça, de um favor não merecido, do que Jesus realizou por nós. Imagine como esse menino deve ter sido agradecido a esse homem. Quanto mais deveríamos, então, ser agradecidos a Jesus pelo que fez por nós?
A pergunta decisiva para todos é: Como manifestamos essa gratidão em nossa vida? Uma coisa é falar como somos agradecidos a Jesus ou quanto amamos a Deus por causa do que Jesus fez. Mas a verdadeira questão, a verdadeira prova da realidade de nossa fé, são nossas obras – obras praticadas não para tentar conquistar a salvação (isso, não podemos) mas de um coração pleno de gratidão e louvor pelo que nos foi dado e prometido em Jesus.
Às vezes, entretanto, não é fácil apreciar completamente o que Cristo fez por nós. Em uma classe de jovens em que estava sendo explicado o plano de salvação, um rapaz levantou a mão e disse: “Eu não fiz nada para merecer morrer.” Bem, o fato é que todos merecemos a morte. Ou, talvez, poderíamos dizer de outro modo: O que fizemos para merecer a vida eterna? O que temos que motivou Deus a fazer tanto sacrifício para nos salvar?
Que resposta você tem para essas perguntas? Afinal, o que alguns de nós fizemos para merecer a vida eterna? Quem entre nós é tão digno que seria compreensível que Jesus tivesse morrido por essa pessoa? Como sua resposta o ajuda a entender melhor quão gratos devemos ser pela salvação? Mais importante, como suas obras revelam essa gratidão?

Nenhum comentário:

Postar um comentário